15 de set de 2012

O LEILÃO DE ARTE FOI UM SUCESSO!

Quem esteve presente pode constatar o sucesso do nosso Leilão de Arte, ocorrido em 11 de setembro último no Espaço Contraponto.
As obras foram doadas por inúmeros artistas renomados e o público presente, além de adquirir obras espetaculares, pode contribuir com o trabalho do Instituto Cisne.






Ao lado dos famosos artistas, nossos jovens artistas Cisnes também tiveram obras arrematadas. 




Nossos especiais agradecimentos à nossa querida Luise Weiss e ao Feres Lourenço Khoury, que idealizaram e fizeram acontecer, ao Sérgio Fingermann, que gentilmente, cedeu seu espaço (lembrando que estes além de tudo, ainda doaram obras para serem leiloadas), ao nosso leiloeiro, que doou seu trabalho, e, principalmente a todos os artistas que contribuíram com suas obras, cujos nomes se encontram em nossa postagem anterior, em fim, a todos que puderam contribuir para que esse evento alcançasse o sucesso que alcançou. À todos o nosso Muito Obrigado.

2 de set de 2012

LEILÃO DE ARTE DO INSTITUTO CISNE

No próximo dia 11 de setembro, não percam o Leilão de Arte do Instituto Cisne. Vários artistas doaram suas obras para serem leiloadas a fim de captarmos recursos para o projeto de nossa sede própria. Será dia 11 de setembro, a partir das 20h00 no Espaço Contraponto, em Pinheiros.


Conheça abaixo um pouco a respeito dos artistas participantes;

Adalgisa Campos: Graduou-se pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP em 1993. Entre 1994 e 2001 viveu na França, onde pós graduou-se pela École Nationale Supérieure des Arts Décoratifs. De volta ao Brasil, obteve o título de mestre pelo Instituto de Artes da UNICAMP. Estudou desenho com Cassio Michalany, Carlos Fajardo e Silvio Dworecki em seus ateliês e foi aluna de Monique Kissel na Universidade de Paris-8. Em seus trabalhos reúne vídeos, performances e desenhos in situ ou sobre papel, constituindo conjuntos que investigam relações entre ação e figura, travadas no âmbito do desenhar. Participa desde 1993 de exposições individuais, coletivas, mostras e festivais no Brasil, França, Alemanha e Canadá.

Alberto LefrèveAlberto Lefèvre (São Paulo SP 1958). Pintor. Estudou artes plásticas na Fundação Álvares Penteado e pintura com Luigi Neviani, em 1977. Dois anos mais tarde, estudou pintura com Martins de Porangaba e desenho com Carlos Fajardo. Neste mesmo ano lecionou desenho artístico na Escola Panamericana de Artes. Na década de 80, estudou têmperas, materiais e emolduramento com Ubirajara Ribeiro; e suporte, aglutinante e pigmento com Dudi Maia Rosa.

Arnaldo Battglini: Escultor, gravador, desenhista, designer de jóias. Mudou-se para Londres em 1975, onde fez uma série de cursos relacionados às artes visuais. Estudou pintura, desenho e gravura na Wimbledon School of Art, entre 1976 e 1977; história da arte na Middlesex Polytechnic, gravura na Morley College, sob a orientação de Birgit Sköld; e desenho na Sir John Cass School of Art e no Camden Arts Centre, entre 1978 e 1979. De volta ao Brasil, em 1980, estudou no Centro de Estudos e Artes Visuais Aster, com orientação de Regina Silveira (1939) e freqüenta o ateliê de Sérgio Fingermann (1953), entre 1981 e 1982, ambos em São Paulo. Entre 1984 e 1989 foi coordenador do Atelier de Livre Expressão em Artes Plásticas do Museu Lasar Segall - projeto de grande alcance social - e idealizador e coordenador do 1º e 2º Circuito Atelier Aberto, evento paralelo às 19ª e 20ª edições da Bienal Internacional de São Paulo. Em 1994 concebeu e coordenou o 1º Intercâmbio de Artistas Gravadores Brasileiros e Britânicos. Elaborou o tapete Arnaldo para a Cia. de Tapetes Ocidentais, São Paulo, em 1997. De 1997 a 1999 desenvolveu jóias de prata para o Cerimonial do Palácio do Itamaraty, em Brasília. Premiado no 1º Concurso Nacional de Arte Pública Tridimensional de Guairá, em 2006.

Arnaldo Pappalardo: Fotógrafo. Cursou a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, FAU/USP, entre 1975 e 1979. Dedica-se à fotografia desde 1976. Realizou estudos de desenho e pintura com Carlos Fajardo (1941), entre 1976 e 1979. Lecionou fotografia e expressão artística no Instituto de Arte e Decoração - IADE, em São Paulo, entre 1976 e 1985. A partir da década de 1980, passou a trabalhar com fotografia publicitária e a desenvolver obra autoral paralelamente. Recebeu, entre outros, o Prêmio Fotografia/Revelação da Associação Paulista de Críticos de Arte - APCA, em 1984; o Prêmio Destaque de Fotografia do Clube de Criação de São Paulo, em 1987, e o Prêmio Nacional de Fotografia da Funarte, em 1996. Foi bolsista da Fundação Vitae em fotografia, com o projeto Intimidade, entre 2003 e 2004.

Carlos Farjado: Artista multimídia. Frequentou o curso de arquitetura na Universidade Mackenzie, em São Paulo, entre 1963 e 1972. Na década de 1960, estudou pintura, desenho, comunicação visual e história da arte com Wesley Duke Lee (1931 - 2010), e música contemporânea com Diogo Pacheco (1925). Participou da criação do Grupo Rex, com Wesley Duke Lee, Nelson Leirner (1932), Frederico Nasser (1945), Geraldo de Barros (1923 - 1998) e José Resende (1945), em 1966, e tornou-se co-editor do jornal Rex Time. Em 1970, com Luiz Paulo Baravelli (1942), Frederico Nasser e José Resende, fundou a Escola Brasil. Estudou gravura em metal com Babinski (1931) e litografia com Regina Silveira (1939). No início de sua trajetória, trabalhou com diferentes técnicas, realizando objetos, pinturas, colagens, desenhos e gravuras. A partir de 1981, expõe trabalhos em pintura, constituídos por um conjunto de telas e de superfícies em madeira pintada, apenas apoiados nas paredes da sala, criando assim um espaço entre os dois planos. Passou a dedicar-se à realização de esculturas em que explora questões como peso, gravidade ou sustentação da obra no solo. Em 1987, recebeu a Bolsa Ivan Serpa da Funarte e, em 1989, a Bolsa Vitae de Artes. Desde 1996, leciona no departamento de artes plásticas da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo - ECA/USP.

Carlos Matuck: Estudou arquitetura e, a partir de 1980, passou a ilustrar para revistas, jornais e editoras. Publicou histórias em quadrinhos, como desenhista e roteirista, e participou da 18a. Bienal Internacional de São Paulo, em 1985.

Celina Yamaushi: É artista plástica, doutoranda em artes pela ECA/USP e leciona fotografia no Santa Marcelina e nas Faculdades Integradas Rio Branco.

Cláudio Tozzi: Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo (1969) , mestrado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo (1980) e doutorado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo (2001). Atualmente é Professor Doutor MS-3 da Universidade de São Paulo. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Artes Plásticas, atuando principalmente nos seguintes temas: artes plásticas, serigrafia, artes.

Dácio Bicudo: Arte-educador formado pela Faculdade de Belas Artes de Sao Paulo em Educação Artística. Concluiu o curso de Cinema pela Escola de Comunicação da USP / ECA. Ator e Diretor de Teatro com atuação em peças profissionais, entre elas: O Balcão de Jean Genet e Abelardo e Heloísa. Dirigiu e produziu uma série de Programas para a GNT/ TV GLOBO, sobre Arte e Cultura pela produtora Bandeira Filmes onde é diretor. Dirigiu Comerciais Premiados e entre seus prêmios, um Leão em Cannes. Participou de Programas de TV como Cenógrafo e Desenhista ao vivo, Ilustrador no jornal folha de S. Paulo. Hoje alem de dirigir filmes, trabalha com intervenção urbana.

DarelÉ um gravurista, pintor, desenhista, ilustrador e professor brasileiro. Em 1937 aprendeu desenho técnico e começou a dedicar-se ao desenho à mão livre. Entre 1941 e 1942 estudou na Escola de Belas Artes, no Recife. Mudou-se para o Rio de Janeiro em 1945, onde aprendeu gravura em metal com Henrique Oswald. Fez ilustração para diversas publicações, como os jornais Última Hora, Diário de Notícias, O Jornal, e para as revistas Senhor, Manchete e Revista da Semana, entre outras.
Viveu na Itália de 1958 a 1960, época em que realizou doze murais para a cidade de Reggio Emilia. De volta ao Rio de Janeiro, ilustrou diversas obras literárias, entre as quais Memórias de um Sargento de Milícias, de Manuel Antônio de Almeida, e Humilhados e Ofendidos, de Dostoievski. Retomou as atividades no jornalismo e realizou uma série de colagens e fotomontagens para as crônicas de Antônio Maria, na Revista da Semana. Entre 1961 e 1965 lecionou litografia na FAAP, em São Paulo. Executou painéis para o Palácio dos Arcos, a sede do Ministério das Relações Exteriores em Brasília (1968 e 1969), para a Olivetti (1970) e para a IBM do Brasil (1979). Em 1982 recebeu o Prêmio Abril de Jornalismo pelo melhor conjunto de ilustrações para a revista Playboy.

Ernesto Bonato: Possui graduação em Licenciatura em Educação Artística com Habilitação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (1992) e mestrado em Artes Plásticas pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (2000). Atualmente é professor do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial. Tem experiência na área de Artes.

Fabrício LopesGraduado em Artes Plásticas pela Fundação Armando Álvares Penteado (2000). Membro fundador do Ateliê Espaço Coringa e da Associação Cultural Jatobá, atualmente é coordenador de artes do Instituto Acaia. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Artes Plásticas, atuando principalmente nos seguintes temas: desenho, pintura, xilogravura em grandes formatos, ateliês coletivos e educação.

Feres L. KhouryConcluiu doutorado em Poéticas Visuais pela Universidade de São Paulo em 1997. Atualmente é Prof. Livre Docente da Universidade de São Paulo e Professor da Faculdade de Design de Moda Santa Marcelina. Possui 39 itens de produção técnica. Participou de 19 eventos no Brasil. Recebeu 6 prêmios e/ou homenagens. Atua na área de Artes, com ênfase em Programação Visual. Em suas atividades profissionais interagiu com 4 colaboradores em co-autorias de trabalhos artísticos. Em seu currículo Lattes os termos mais freqüentes na contextualização da produção científica, tecnológica e artístico-cultural são: Gravura, Xilogravura, Desenho, Pintura, Aquarela, Edições João Pereira Livros de pequena tiragem. A pesquisa artística, se dá no relacionamento entre imagem e texto, apresentada em forma de caligrafias, monotipias e técnicas afins, resultando, assim, um imaginário inserido na tradição e no diálogo da imagem e texto poético: a poesia interagindo na imagem.

Flávio Império: Iniciou sua carreira em 1959 com a peça Morte e Vida Severina. Depois de ganhar uma bolsa de estudos na extinta Escola de Artesanato do Museu de Arte Moderna, ingressou na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAUUSP) de onde se tornou professor. Teve escritório com os arquitetos Sérgio Ferro e Rodrigo Lefevre. 
Com Gianfrancesco Guarnieri e Augusto Boal foi um dos fundadores do Teatro de Arena. Trabalhou também no Teatro Oficina com José Celso Martinez Correa e durante catorze anos deu aulas na FAUUSP. 
Arquiteto, professor de urbanismo, pintor e cenógrafo, Império era considerado um dos melhores cenógrafos que o teatro brasileiro já conheceu. No Teatro de Arena ele criou algumas cenografias importantes para os espetáculos "Um Bonde Chamado Desejo" de Tennesse Williams, "Todo Anjo é Terrível" de Lope de Veiga, "Os Inimigos" de Gorki, "Revellion" com Regina Duarte, Arena Conta Zumbi, Os Fuzis da Senhora Carrar, Arena conta Tiradentes, Roda Viva de Chico Buarque, "Labirinto" com Walmor Chagas, "A Falecida" de Nelson Rodrigues, "Chquinha Gonzaga" e "Noel Rosa" sob a direção de Celso Nunes no Teato Popular do Sesi. 
Foi ele também quem criou cenários para grandes shows musicais exibidos em São Paulo na década de 1970 como "Pássaro da Manhã", Rosa dos ventos e "Vinte Anos de Paixão", com Maria Bethânia, "Doces Bárbaros", com Caetano Veloso, Gal Costa, Gilberto Gil e Maria Bethânia. 

Morreu às vésperas de completar 50 anos, no Hospital do Servidor Público Estadual, vitimado por uma infecção bacteriana nas meninges causada pela Aids.



Iole di Natale: Possui graduação em Desenho e Artes Plásticas pela Faculdade Santa Marcelina (1964) e Licenciatura pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1964). É professora titular da Faculdade Santa Marcelina - cursos de Artes Plásticas e Educação Artística - e Coordenadora do Núcleo de Aquarelistas da FASM. Sua produção artístico-cultural concentra-se em aquarela sobre papel, desenho, pintura a óleo e calcogravura. Recebeu da APCA - Associação Paulista de Críticos de Arte os prêmios Melhor Gravadora do Ano, em 1983 e Melhor Ação Cultural do Ano, em 2003, pelas exposições da Quadrienal de Aquarela de 2003.

Jaqueline Aronis: Possui Graduação em Licenciatura Plena em Educação Artística pela Fundação Armando Álvares Penteado FAAP - 1976. Curso de Especialização em Gravura no Programa de Pós Graduação da Slade School of Fine Art, University College London UCL- Londres, Inglaterra - 1977/1978. Mestrado em Artes pela Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo - ECA / USP - 2002. Doutorado em Artes pela Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo ECA USP - 2009. Ministra cursos livres de desenho em atelier próprio desde 1999. Atuação na área de Artes Plásticas com Especialidade em desenho, gravura, modelagem, pintura, fotografia, história da arte e educação artística.

João MusaFotógrafo e professor. Formou-se em engenharia de produção pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli/USP), em 1974. Durante a graduação, organizou o laboratório de fotografia do centro acadêmico da Poli/USP, com os fotógrafos Raul Garcez (1949-1987) e Sérgio Burgi (1958- ). De 1978 a 1982, trabalhou no laboratório da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP (FAU/USP) e atuou como professor de fotografia em faculdades particulares. Nos anos 1970 e 1980, realizou pesquisas e frequentou diversos cursos na área de conservação da imagem e controle de tons. Em 1984, tornou-se professor de fotografia do curso de artes plásticas da Escola de Comunicações e Artes da USP (ECA/USP). Na mesma instituição, em 1990, concluiu mestrado em artes com a dissertação Viagem a uma Terra Desconhecida, que dá origem ao ensaio fotográfico homônimo exposto no Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (Masp), em 1992. Com esse trabalho, recebeu prêmio de melhor fotógrafo do ano da Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA). De 1994 a 1999, desenvolveu o projeto de doutorado O Viajante e as Cidades, na ECA/USP. Em 2004 e 2005 foicontemplado com a bolsa da Fundação Vitae para pesquisa em tecnologias de digitalização e representação de imagens coloridas da paisagem. Além de dar aulas, atua como fotógrafo, sobretudo nas áreas de publicidade, institucional, reprodução de obras de arte e na sistematização e preservação de arquivos.

Júlio Minervino: Possui graduação em Desenho Industrial pela Fundação Armando Álvares Penteado (1977) e mestrado em Arte, Educação e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (2000). Atualmente é professor da Faculdade Santa Marcelina e professor assistente II - Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Kenichi Kaneko: Nasceu em Yokohama. Estudou na Escola de Belas Artes (Chuuou Bijitsu Gakuen) de Tóquio, Japão (1958). Participou de vários movimentos de vanguarda e da primeira exposição da New Ecol de Tóquio (1959). Imigrou para o Brasil em 1960. Kaneko é um dos remanescentes do Grupo Seibi, fundado nos anos 1930 por artistas japoneses como Tomie Ohtake e Manabu Mabe. Como ator, trabalhou em muitos filmes, entre outros: 1979/01 - Gaijin -1 e 2 (Tizuka Yamazaki); 1985 -Beijo da Mulher Aranha (Hector Babenco); 1971 - Orfeu Negro (Cacá Diegues). Em novelas, entre outras, integrou o elenco de: De Quina pra Lua (1985/ 86 - TV Globo); Zazá (1997/98 - TV Globo); Cobras e Lagartos (2006 - TV Globo); Água na Boca (2008 - TV Bandeirantes); e atualmente de Morde e Assopra (2011 - TV Globo).

Kenji Ota: Possui graduação em Ciencias Sociais pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (1978) e mestrado em Artes pela Universidade de São Paulo (2001). Atualmente é Professor Adjunto I do Centro Universitário Senac.

Luise Weiss: Possui graduação em Artes Plásticas pela Universidade de São Paulo (1977), mestrado em Comunicação e Artes pela Universidade de São Paulo (1992) e doutorado em Poéticas Visuais pela Universidade de São Paulo (1998). Atualmente é professora titular da Faculdade Santa Marcelina e da Universidade Presbiteriana Mackenzie, e professor adjunto da Universidade Estadual de Campinas. Tem experiência na área de Artes Visuais, com ênfase em Arte Contemporânea, atuando principalmente nos seguintes temas: gravura, desenho e fotografia.

Lygia Eluf: Possui Graduação em Artes Plásticas (1982), mestrado em Artes Poéticas Visuais (1992) e doutorado em Artes Poéticas Visuais (1998) pela Universidade de São Paulo. É professora livre docente em Processos Criativos (2004), pela Universidade Estadual de Campinas, onde atua desde 1990 na área de Artes Visuais, com ênfase em desenho, atuando principalmente nos seguintes temas: representação bidimensional (desenho, gravura, pintura), produção artística contemporânea e pesquisa em arte. Criou o Centro de Pesquisa em Gravura na Unicamp em 1997, onde atua como consultora. É credenciada e atua na área de Poéticas Visuais, no programa de pós-graduação em Artes, do Instituto de Artes da Unicamp. Desenvolve desde 1980 projeto artístico pessoal em desenho, gravura e pintura participando de exposições no Brasil e exterior.

Manoel Fernandes: Pintor, desenhista, artista gráfico, arquiteto e professor. Cursou desenho na Associação Paulista de Belas Artes em 1962 e arquitetura na Universidade Mackenzie, entre 1964 e 1969, em São Paulo. Em paralelo aos estudos, trabalhou com artes gráficas, de 1965 a 1972, e com paisagismo, de1967 a 1973. Na década de 1970, estudou desenho e pintura na Escola de Arte Brasil, entre 1971 e 1974, e viajou para Roma (Itália) onde estudou pintura e desenho, de 1975 a 1977. Em 1980, realizou sua primeira exposição individual, na Paulo Figueiredo Galeria de Arte, em São Paulo. Entre 1980 e 1981, trabalhou em Ateliê de Arte com crianças. Como professor, atuou em 1986 na Escola de Artes Visuais do Parque Lage - EAV/Parque Lage, no Rio de Janeiro.

Marcelo GreccoNascido em 1966, começou a trabalhar com fotografia como free lancer para órgãos de imprensa do Brasil e para imprensa internacional através da agência francesa SIPA Press, no ano de 1996.

Trabalhar na área cultural tem sido o foco principal de sua atuação. Desenvolve cursos e oficinas de fotografia autoral no Museu de Arte Moderna de São Paulo. Orienta fotógrafos em grupos de estudos no desenvolvimento de projetos pessoais, assim como coordena e edita o trabalho de diversos fotógrafos para exposições em eventos nacionais e internacionais.
No seu trabalho autoral, o universo feminino foi o enfoque inicial. Durante anos realizou um ensaio sobre atrizes do teatro nacional e fez exposições em São Paulo, Santos e no término de 2001 em Portugal.
O projeto Íntima, Luz Íntima, tratou de uma metáfora sobre o universo feminino, foi exposto na Pinacoteca do Estado em 2002 e em conseqüência deste trabalho, recebeu uma bolsa do Centro Português de Fotografia para realizar um paralelo. Este material foi exposto em 2005 em São Paulo.
Atualmente desenvolve o projeto Silêncio Selvagem que trata da vida nas cidades urbanas contemporâneas. Este trabalho foi selecionado para exposições que foram realizadas na Alemanha em 2006.
Foi curador geral do Festival de Fotografia ‘Paraty em Foco’ 2008. Desde 2009 criou a Schoeler Editions, casa editorial voltada para o mercado Fine Art. Cria livros e portfolios de tiragem limitada e assinados pelo artista.

Marcelo Moscheta: Vive e trabalha em Campinas onde participa do Atelier Inventio - um atelier coletivo de produção em arte contemporânea - e do Centro de Pesquisa em Gravura da UNICAMP. É mestre em Artes Visuais e graduado em Educação Artística pela UNICAMP. Seu projeto poético sobre a memória procura traçar a construção de um pensamento plástico e gráfico, realizado em gravuras, desenhos e colagens. Suas pesquisas envolvem o explorar dos limites do suporte da obra, seu locus no espaço e novos meios e técnicas. Possui obras em várias coleções particulares e museus brasileiros. Realizou exposições individuais e coletivas, recebendo diversos prêmios.

Maria BonomiNascida em Meina, Itália, em 1935, é gravadora, escultora, pintora, muralista, curadora, figurinista, cenógrafa, professora. Maria Bonomi veio para o Brasil em 1946, fixando-se em São Paulo. Estudou pintura e desenho com Yolanda Mohalyi (1909-1978), em 1951, e com Karl Plattner (1919-1989), em 1953. No ano seguinte, iniciou-se em gravura com Lívio Abramo (1903-1992). Realizou a sua primeira individual em São Paulo, em 1956. Naquele ano, recebeu bolsa de estudos da Ingram-Merrill Foundation e estudou no Pratt Institute Graphics Center, em Nova York, com o pintor Seong Moy (1921). Em paralelo, cursava gravura com Hans Müller e teoria da arte com Meyer Schapiro (1904-1996), na Columbia University, também em Nova York. De volta ao Brasil, freqüentou a Oficina de Gravura em Metal com Johnny Friedlaender (1912-1992), no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro - MAM/RJ, em 1959. No ano seguinte, em São Paulo, fundou o Estúdio Gravura, com Lívio Abramo, de quem foi assistente até 1964. A partir dos anos 1970, passou a dedicar-se também à escultura. Produziu painéis de grandes proporções para espaços públicos. Em 1999, defendeu a tese de doutorado intitulada Arte Pública. Sistema Expressivo/Anterioridade, na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo - ECA/USP.

Maria VillaresPintora, desenhista, escultora, ceramista. Maria Diederichsen Villares (São Paulo SP 1940), estudou desenho e pintura com Nélson Nóbrega e história da arte com Gilda Seraphico, entre 1954 e 1963. Na década de 70, foi aluna de Carlos Fajardo, Dudi Maia Rosa.

Mariko KanekoNasceu em Kobe (Japão) em 1974 formou-se na Faculdade de Belas Artes de Kyoto Seoka. Chegou ao Brasil em 1993 e no ano seguinte passou a participar da Exposição de Arte Koguei ( até 1996) da Exposição de Arte Craft (a partir de 1997 até os dias atuais). Nesses eventos conquistou o Prêmio Arte Craft em 2000 e o Prêmio Acrilex em 2003.
Tem participado de exposições em diversas localidades, com destaques para as mostras individuais em Atelier Solange Cazzaro, em Campinas (2001) e no Clube Paineiras do Morumby, em São Paulo (2004). Desde 2010 integra a Comissão de Arte Craft.

Mário Andrioli: Em 2001/ 08 graduou-se em Filosofia pela FFLCSH - Faculdade de Filosofia Letras, Ciências Sociais e História da Universidade de São Paulo - USP com curso centrado em pesquisa nas áreas de Estética, Metafísica, Antropologia e Filosofia da Arte. Estudou História da Arte, Fotografia, Desenho de Expressão, Desenho Técnico e Técnicas de Impressão no Colégio Técnico IADÊ - INSTITUTO DE ARTE E DECORAÇÃO, SP Em 2007. Participou da “Hors Concours”, 3ª Bienal de Gravura Nacional, no Museu Olho Latino, em Atibaia, sob a curadoria de Paulo Sheida Sans. 
Viajou para Portugal em dezembro de 2006, instalando-se na cidade do Porto, onde residiu por quatro meses, vindo a estabelecer contatos com artistas portugueses, tais como Antônio Fernando, José Rodrigues, Gustavo Bastos, Antônio Leite, Maria Antônia Porto e José Emídio, e, com o intelectual, poeta e escritor José Luis Ferreira.

Miriam Korokovas: Arquiteta, artista joalheira e curadora.

Patrícia Barbuscia: É artista plástica, pesquisadora e professora. Mestre em Poéticas Visuais pela Faculdade Santa Marcelina e graduada em Ciências Econômicas pela Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Paulo Penna: Possui graduação em Artes Plásticas - Departamento de Artes Plásticas da Escola de Comunicações e Artes da USP (1994) e Mestrado em Artes - Departamento de Artes Plásticas da Escola de Comunicações e Artes da USP (2007). De 1999 a 2006 ministrou oficinas semestrais de Xilogravura e de 2005 a 2006 ministrou Gravura em Metal no Ateliê de Gravura do Museu Lasar Segal. Atualmente é técnico em educação do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Gravura, atuando principalmente nos seguintes temas: arte contemporânea, gravura, figura, arte brasileira e xilogravura.

Regina Silveira: Possui graduação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1959) , mestrado pela Universidade de São Paulo (1980) e doutorado pela Universidade de São Paulo (1984) . Atualmente é Professora Assistente Doutora da Universidade de São Paulo, Chefe de Departamento da Universidade de São Paulo, representante eleita do núcleo de línguas e Coordenadora de Setor da Fundação Armando Álvares Penteado, atuando principalmente nos seguintes temas: Anamorfoses, Instalações e Projeções em perspectiva.

Renina KatzAtualmente é professora assistente doutor aposentada da Universidade de São Paulo. Foi professora da Museu de Arte de São Paulo, na Fundação Armando Álvares Penteado da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Rosa Esteves: Possui graduação pela Fundação Armando Álvares Penteado (1976) e mestrado pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (1984). Museóloga do Museu Lasar Segall IBRAM/MinC, desde 1981, sendo responsável pelo Arquivo Fotográfico Lasar Segall. Desenvolve, desde 1994, pesquisa sobre a obra gráfica de Lasar Segall. Tem experiência na área de Museologia, documentação, conservação e preservação de obras de arte e fotografia. Possui registro no Conselho Regional de Museologia - COREM-SP; Membro do International Council of Museums- ICOM. Artista plástica, desenvolve sua produção artística cultural na área de fotografia, gravura, objeto escultórico e performance. Em seu trabalho questiona o universo feminino, por meio da exploração de arquétipos que dizem respeito ao corpo feminino na arte.

Salete Mulin: Possui mestrado em Artes pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1998). Graduação pela Fundação Armando Álvares Penteado - FAAP. Atualmente é gerente - curadora na Graphias Casa da Gravura e professora de gravura da Faculdade Santa Marcelina. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Gravura, atuando principalmente nos seguintes temas: gravura (calcogravura, litogravura, xilogravura), serigrafia, produção de livros de artista e encadernação.

Sérgio Fingermann: Em 1979 graduou-se em Arquitetura pela Universidade de São Paulo. Desde 1975 trabalha como artista plástico, desenvolvendo pinturas e gravuras em metal com acentuadas características intimistas. As obras dessa época apresentam tendência construtiva que se exemplifica na justaposição de representações diferentes, na associação de signos gráficos, na mistura de desenho de observação com desenho de memória. Esses trabalhos são construções de cenas, quase pequenos cenários, para produzirem um sonhar.

A todos esse maravilhosos artistas, o nosso muitíssimo obrigado por contribuírem fazendo a diferença na vida dessas pessoas tão especiais!